Tecnologia Agrícola
Controle da broca-do-café tem nova ajuda de defensivo, mas eficiência depende do manejo correto

Imagem retirada de http://sfagro.uol.com.br/wp-content/uploads/2016/02/1602_cafe_broca-do-cafe_praga.jpg
Imagem retirada de http://sfagro.uol.com.br/wp-content/uploads/2016/02/1602_cafe_broca-do-cafe_praga.jpg

Giano Caliari, gerente de Marketing de Culturas da UPL, esteve hoje (06) na redação do Notícias Agrícolas para discutir o tema da broca do café, que tem grande importância na cafeicultura brasileira e gera preocupação anual entre os produtores, que procuram por alternativas desde a proibição do Endosulfan.

Ocupando mais de 2 milhões de hectares e representando mais de 10% de toda a cadeia do agronegócio, o setor conta com uma praga de difícil controle que não é impulsionada apenas pela proibição do inseticida, mas também por fatores como o aumento da mecanização, que deixa mais frutos não colhidos na lavoura, pelas mudanças nas práticas estruturais e pelo aumento da exigência da qualidade do grão de café.

Desta forma, o cenário em relação à broca é totalmente diferente nos dias de hoje, de forma que novas alternativas para este problema são cada vez mais necessárias. Caliari visitou lavouras do Sul de Minas e visualizou que, em função do clima, a situação está mais amena, embora o nível de preocupação ainda seja grande.

A broca, além de comprometer a qualidade do grão, aumenta seu peso e prejudica o resultado final da bebida. Desta forma, várias empresas mudaram as suas regras e, nas lavouras, o comportamento também deve ser diferente. Assim, o gerente aponta que existem manejos adequados e importantes de serem feitas. "Não tem solução mágica: é um conjunto de estratégias, como uma colheita bem feita".

A partir de outubro, o ideal é que os produtores também realizem um monitoramento constante, aliado ao controle químico, que é um dos pilares na estratégia de manejo. Até o momento, existiam poucas opções no mercado. Contudo, a UPL lançou o Sperto, produto que já foi utilizado por diversos cafeicultores e vem como uma grande novidade para o controle dessa praga.

Segundo as recomendações de Caliari, devem ser feitas, 70 dias após a principal florada, três aplicações com intervalo de 25 dias. Há uma equipe da empresa focada neste problema, dedicada a levar para os cafeicultores toda a estrutura necessária para trabalhar dentro dessas preocupações.


Fonte: Notícias Agrícolas, escrita por Aleksander Horta e Izadora Pimenta


RGB Comunicação - Agência de Internet e Produtora de Vídeo
Rua das Orquídeas, 29 – Chácara Recreio Planalto – CEP 14176-416 – Sertãozinho/SP
E-mail: biocontrol@biocontrol.com.br