Tecnologia Agrícola
Brasil tem como monitorar pragas e doenças do conillon do Vietnã, diz ex-secretário de Defesa Agropecuária

Imagem retirada de http://s2.glbimg.com/JHpf0yuKddi6NSAQ2ulDnC-qd-c=/780x440/e.glbimg.com/og/ed/f/original/2014/02/05/cafe_conilon_graos_colheita.jpg
Imagem retirada de http://s2.glbimg.com/JHpf0yuKddi6NSAQ2ulDnC-qd-c=/780x440/e.glbimg.com/og/ed/f/original/2014/02/05/cafe_conilon_graos_colheita.jpg

O Brasil tem condições tranquilas de cumprir os requisitos fitossanitários para barrar qualquer lote de café do Vietnã que possivelmente não esteja em conformidade com a legislação brasileira. A opinião categórica é de Ênio Marques, ex-titular da Secretaria de Defesa Agropecuária, apoiando a postura do ministro Blairo Maggi em exigir rigor na importação do café robusta, como, por exemplo, a Certificado Fitossanintário emitido pela Organização Internacional de Proteção Fitossanitária do Vietnã (ONPF), com declaração adicional relacionada ao controle de pragas.

Marques, que deixou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 2013, foi mais longe: “Normalmente as pragas importadas vêm com material genético trazido de forma ilegal e pelo menos no histórico de 40 anos o Brasil nunca internou uma praga vinda pelos fluxos comerciais corretos”.
Significa, na argumentação do hoje assessor da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), que o controle de doenças é fácil de ser monitorado pelo Brasil, “bastando aplicar as medidas técnicas de identificação na origem”.

Entre outras formas de controlar os riscos, em último caso, Ênio Marques lembra também que o Mapa pode até exigir que “algum pré-beneficiamento seja feito no Vietnã”.


Fonte: Notícias Agrícolas, escrita por Giovanni Lorenzon


RGB Comunicação - Agência de Internet e Produtora de Vídeo
Rua das Orquídeas, 29 – Chácara Recreio Planalto – CEP 14176-416 – Sertãozinho/SP
E-mail: biocontrol@biocontrol.com.br